Dia Mundial do Rádio – A importância do veículo no dia-a-dia dos caminhoneiros

Nas ondas do trecho - o Dia Mundial do Rádio
Imagem: PNE

Nas ondas do rádio, muitas histórias são contadas… Domingo (13) é o Dia Mundial do Rádio. Um dos meios de comunicação mais importantes da humanidade, o veículo se moderniza a cada instante e segue firme e forte, informando, entretendo e servindo como uma voz na sociedade.

Popular e com um longo alcance, ele atinge locais que televisões e aparelhos celulares muitas vezes não chegam, demonstrando toda a importância deste meio de comunicação. Nas estradas, o rádio é fundamental para os trabalhadores do trecho.

Por que o dia 13 de fevereiro?

Nossos conteúdos de áudio
Imagem: PNE

O dia escolhido para as comemorações, 13 de Fevereiro, é uma homenagem à primeira emissão de um programa da United Nations Radio (Rádio das Nações Unidas) no ano de 1946, com transmissão simultânea para seis países. Nesse sentido, a data foi criada e oficializada em 2011 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). Assim, o primeiro Dia Mundial do Rádio foi celebrado em 2012.

Aqui no Brasil, as transmissões radiofônicas estão completando 100 anos em 2022. A primeira aconteceu em 7 de setembro de 1922 no centenário da Independência. O discurso do presidente Epitácio Pessoa foi transmitido na Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, por meio de uma antena instalada no Morro do Corcovado. Essa transmissão alcançou receptores em Niterói, Petrópolis e São Paulo. 

A importância do rádio para os caminhoneiros

No trecho, o rádio tem função vital para atualizar os caminhoneiros sobre acidentes, condições climáticas, situações das estradas e rodovias, além claro, de permitir ouvir uma boa música ao longo das viagens. Nesse sentido, esse meio de comunicação aparece para o estradeiro como um grande parceiro ao longo de toda sua viagem.

Conversando com alguns caminhoneiros ao longo do trecho, foi possível notar a importante função que tem o rádio durante as horas e mais horas nas estradas.

De acordo com o curitibano Alexsandro Paiva, que está há mais de dez anos no trecho, a música é uma grande distração ao longo de suas viagens pelo país e por toda a América do Sul:

“Eu ouço muita música, principalmente evangélicas. O rádio também me auxilia quando eu busco alguma notícia. Quando estou em outros lugares, vou tentando sintonizar em notícias do trecho, de congestionamentos […] Gosto da música evangélica para dar uma acalmada, mas também gosto de outros ritmos, como um batidão pra manter acordado, umas músicas campeiras também.”

Ele ainda destaca o ponto em que o rádio possui uma importância ímpar aos estradeiros, sendo uma forma de interação aos condutores:

“Em termos de interação, o rádio é o melhor que tem. O rádio, onde a gente for, vai ter.”

Por que o dia 13 de fevereiro?
Imagem: PNE

Conversamos também com o paranaense Vanderlei Freitas, caminhoneiro que está há 20 anos na tocada. Ele afirma que escuta o Pé Na Estrada diariamente e que o rádio é muito importante para informar e alertar os condutores nas rodovias:

“Toda manhã escuto o programa, quando estou viajando. Eu fico sabendo de informações, acontecimentos nas rodovias, acidentes […] Eu escuto música também no trecho, gosto bastante de sertanejo.”

Vanderlei ainda destaca, em uma frase, a relação de fidelidade entre o caminhoneiro e o rádio:

 “Na minha opinião, com certeza, o rádio é o fiel amigo do caminhoneiro.”

Nossos conteúdos de áudio

Rádio Massa
Pedro Trucão e Paula Toco. Imagem: PNE

Dá pra perceber nas palavras dos dois estradeiros, a importância que o rádio tem na vida de ambos, não é mesmo?

E como você já sabe, aqui no Pé Na Estrada te acompanhamos durante todo o ano no trecho, no seu dial, na cabine do seu caminhão. Desde 81 na tocada, Pedro Trucão segue direto e reto na lida com informações das estradas e muita música boa no alto falante do seu bruto.

Se você ainda não conhece o caminho até os nossos conteúdos de áudio, conheça agora:

Veja Também: Custo dos acidentes, dia do rádio e rota segura para ciclistas

 

Por Daniel Santana com informações da Agência Câmara de Notícias e da UNESCO

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui