sábado, maio 28, 2022

Mercedes-Benz e Scania divulgam caminhões autônomos para o agronegócio durante Agrishow 2022

A 27ª Agrishow ocorreu entre os dias 25 e 29 de abril em Ribeirão Preto. Após dois anos sem o evento devido a pandemia por Covid-19, as montadoras Mercedes-Benz e Scania aproveitaram para apresentar seus veículos voltados para agronegócio. Ambas deram destaque aos caminhões autônomos nível 2 direcionados ao setor sucroalcooleiro.

Mercedes-Benz traz portfólio após dois anos sem Agrishow

Dentre os produtos do portfólio, foram citados os caminhões da linha Atego para aplicações severas on road e off road para suporte na produção agrícola. Mas o destaque foi dado à linha Axor, que segundo executivos da montadora é um dos mais vendidos para o transporte de grãos, cana e madeira.

O Axor 3131 com direção autônoma nível 2, que roda sozinho, mas tendo suporte de um motorista para o caso de eventualidade, vendeu 400 unidades do ano passado para cá. Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas e Marketing declarou que Mercedes-Benz está preparando esse veículo para que ele seja 100% autônomo para rodar em um ambiente confinado. 

Segundo o próprio Leoncini, um caminhão como esse é de grande valia para o segmento agro pelo suporte que ele oferece. Contudo, é um baita desafio devido a adaptação dos sensores às situações como presença de palha, poeira, entre outros. 

Mercedes-Benz e Scania divulgam caminhoes autonomos para o agronegocio durante Agrishow 2022
Axor 3131, veículo autônomo nível 2 da Mercedes-Benz

Foto: Divulgação/ Mercedes-Benz

Scania apresenta seu modelo autônomo para setor sucroalcooleiro

A Scania levou para a feira a nova geração de caminhões off road, os veículos a gás comprimido e liquefeito e o pacote de soluções de manutenção e conectividade. Destaque para o Scania R540 6X4, carro chefe de vendas do setor, principalmente para transporte de grãos. “Trouxe 20% de economia e eficiência energética com relação à série anterior”, relata Fabrício Vieira, gerente de Vendas de Soluções Off Road da Scania do Brasil.

Foi apresentado também na feira o G540 10X4, lançado em 2021, usado para mineração e com aplicações para o agronegócio. Seu irmão, o G540 6×4 se consolidou no setor sucroalcooleiro e aumentou a presença no segmento florestal e de madeira. 

A grande novidade da Scania para a Agrishow foi o caminhão autônomo para transbordo, o P280 8X4. O veículo está em fase final de testes em usinas do interior de São Paulo e a intensão é que já esteja disponível para venda na Fenatran deste ano.

O modelo possui georreferenciamento e conectividade com caminhões do entorno e com máquinas agrícolas como a colhedeira. Possuirá também versões a diesel, Gás Natural Veicular e Biometano.

Caminhão autônomo nível 2 da Scania para setor sucroalcooleiro P280 da S
Caminhão autônomo nível 2 da Scania para setor sucroalcooleiro

Foto: Divulgação/ Scania

A relação das fabricantes com o Agronegócio

Para as duas montadoras o agronegócio representa um mercado significativo. Scania com cerca de 40% e Mercedes-Benz com 45% do total de veículos comercializados. 

No caso da Mercedes, esse volume tem relação com o grande suporte ao ciclo da cana, sobretudo o apoio ao transporte do etanol e do açúcar. “No Brasil, o transporte de etanol é 100% em cima de caminhão diretamente vindo do fabricante, porque nós não temos dutos nenhum no país”. Roberto Leoncini, destacou que outros setores do agrobusiness estão em crescimento, como o madeireiro e a mineração, e a empresa analisa outras oportunidades no mercado do agro.

A Scania, que também é forte no setor sucroalcooleiro e pretende ampliar sua participação em 2022, sobretudo no mercado florestal, por meio da venda de planos de manutenção desenvolvidos especificamente para os segmentos da cana e madeira. “Havia deficiência para entregar soluções para esses tipos de segmentos”, justifica Fabrício Vieira. 

A falta dos semicondutores e o fornecimento de caminhões para agronegócio

Tanto Roberto Leoncini, da Mercedes-Benz quanto Fabricio Vieira, da Scania lembraram que a falta de componentes atrapalhou a produção. “Ficamos 50 dias parados entre dezembro e fevereiro deste ano porque não havia componentes para produzir seus caminhões”, explica Fabricio Vieira.

Dos mais de 1500 caminhões off road vendidos para o agro, apenas 1007 foram entregues por conta da crise.  Leoncini destacou ainda que a empresa entregou no ano passado caminhões com pneus faltantes, mas teve o apoio de fornecedores que supriram o componente. Para não perder o slot de produção, avançou em volume de veículos que serão completados com a chegada de peças.

A Scania pretende manter a meta estabelecida para 2022, mas admitem a dificuldade na entrega de veículos e soluções para o primeiro semestre. Com isso, a intenção é entregar 30% do volume de produção no primeiro semestre e 70% no segundo.

Agronegócio e investimentos em veículos sustentáveis

Segundo a Scania foram mais de 600 caminhões a gás comprimido, liquefeito e biometano vendidos desde abril de 2020 com resultados satisfatórios na economia de combustíveis para o setor sucroalcooleiro. “Chegamos a um custo operacional aproximadamente 16% menor para solução a gás nas operações com cana de açúcar”.

A economia poderia ser ainda maior com o biometano, afirma Paulo Gianezini, que reforçou com base na Biogás, que o Brasil tem o maior potencial de produção desse combustível no mundo. Fabrício aponta que o gás terá demanda mesmo com a chegada de outras tecnologias sustentáveis, tais como a eletrificação e o óleo de hidrogênio. No entanto, hoje, o gás é a alternativa mais viável, sobretudo pela infraestrutura oferecida pelo Brasil.

 “A tecnologia [eletrificação e óleo] já está desenvolvida, principalmente para veículos urbanos que trabalham dentro da cidade com uma distância menor. Para ser viável comercialmente no Brasil vai depender muito mais do que o país tem a ofertar do que a gente tem para oferecer”, complementa. 

Roberto Leoncini, da Mercedes-Benz, concorda que existe uma demanda e pressão pelos combustíveis alternativos em contrapartida à uma infraestrutura que não acompanha essa solicitação do mercado. Ele reforça que existe no portfólio da montadora a opção elétrica, uma solução adotada no hemisfério norte e na Europa, mas que precisa ser estudada para o Brasil. Logo, a Mercedes avalia qual a solução mais interessante economicamente para seus clientes, sobretudo pensando em longas distâncias.

Por hora, a montadora possui uma parceria com a Volvo para o desenvolvimento de células de hidrogênio, que poderia fabricar um hidrogênio 100% verde a partir da energia eólica, do etanol e da água, confirma Leocini.

Contudo, os desafios ainda são muitos, principalmente na questão da logística de abastecimento dos veículos que não saem do campo “O caminhão de transbordo, que vai na rodovia e volta vai ter pontos de abastecimento, mas um caminhão que fica 100% do tempo no campo, é mais complicado porque você não consegue fazer um abastecimento remoto de gás no campo”, exemplifica.

Por Jacqueline Maria da Silva

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Inscreva-se nos nossos informativos

Você pode gostar
posts relacionados