segunda-feira, junho 17, 2024

CNTA realiza pesquisa para identificar os desafios diários das caminhoneiras do país

A CNTA, Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos, realizou uma pesquisa para avaliar as condições de trabalho das mulheres que atuam como caminhoneiras em nosso país. A iniciativa é inédita no Brasil.

Segundo a confederação, a pesquisa, intitulada “Realidade e desafios das caminhoneiras nas estradas”, tem o intuito de traçar um panorama da situação das mulheres na profissão, abordando questões de infraestrutura, mercado de trabalho e segurança.

Resultados da pesquisa

A pesquisa foi aplicada de forma virtual entre os dias 25 de agosto e 3 de setembro, com a participação de 72 estradeiras. Os dados apontam que a maioria das entrevistadas (34,7%) tem idade entre 31 e 40 anos e está na profissão há menos de 5 anos (43,1%).

Esses dados demonstram que são mulheres que possivelmente ingressaram na profissão mais tarde ou após uma mudança de carreira, sendo que 69,6% delas escolheram as estradas por amor à profissão. Além disso, 72,2% das entrevistadas trabalham com carteira assinada.

  • Segurança das Estradeiras

Segurança das Estradeiras
Imagem: PNE

A pesquisa também questionou as entrevistadas sobre a sensação de segurança nas estradas em uma escala de 1 a 5, sendo que a opção 1 representava o menor grau de segurança. 48,6% das caminhoneiras indicaram os graus 1 e 2 para representar sua insegurança na profissão.

Portanto, quase a metade das das motoristas avaliaram como péssimas ou ruins as condições de segurança dos pontos de parada e descanso, bem como dos postos de combustíveis. Em relação a roubo ou furto de cargas, 81,9% das entrevistadas apontaram nunca terem sido vítimas desse crime. Sobre assédio sexual no trecho, apenas 22,2% das caminhoneiras indicaram nunca terem sido vítimas.

  • Mercado de Trabalho

Os dados apontam que apenas 11,1% das entrevistadas relataram nunca ter sofrido preconceito por exercerem a profissão, enquanto 87,5% apontam que frequentemente ou às vezes têm sua capacidade subestimada pelo fato de serem mulheres. Em relação ao assédio moral, 45,8% relataram terem sido vítimas algumas vezes. Já 70,8% das mulheres entrevistadas indicam que nunca receberam menos do que um colega homem praticando o mesmo trabalho.

  • Estrutura oferecida às mulheres no trecho

Estrutura oferecida às mulheres no trecho
Imagem: PNE

Por fim, a estrutura inadequada para o público feminino é um ponto crucial para as profissionais, sendo o item mais relatado pelas entrevistadas no espaço aberto da pesquisa. Na avaliação de 70,8% das caminhoneiras participantes, a quantidade de banheiros femininos nos pontos de parada e postos de combustíveis é considerada péssima ou ruim.

Quanto à limpeza, 68,1% também a avaliam como péssima ou ruim. Já 41,7% das entrevistadas consideram as opções de hospedagem disponíveis como regulares.

  • Soluções propostas

A CNTA sugeriu às caminhoneiras possíveis ideias de melhorias para reforçar a sensação de segurança nas estradas e pediu a avaliação das entrevistadas em uma escala de 1 a 5, sendo a opção 5 a representação de uma ideia excelente.

61,1% consideraram nota 5 para a ideia de ter vagas exclusivas para mulheres nos pontos de parada e 73,6% também atribuíram nota 5 para a instalação de câmeras nas portas de acesso ao banheiro feminino.

Mulheres no Transporte de Gesso

Lugar de mulher é onde ela quiser. Elas estão em todos os lugares e operando todo tipo de equipamento, como retroescavadeiras e outras máquinas especiais. Nesta reportagem que foi ao ar no Pé Na Estrada, conversamos com algumas delas, que deixaram suas antigas funções e mostraram que são capazes de conduzir veículos de grande porte e com alta tecnologia no segmento do gesso.

Clique no vídeo abaixo e acompanhe o bate-papo e veja quais eram suas atividades e como se tornaram operadoras de máquinas na Gesso Integral.

Veja Também: Presa na boleia? Romance na estrada? Mulheres cristais contam histórias vividas no trecho

Por Daniel Santana com informações da CNTA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Inscreva-se nos nossos informativos

Você pode gostar
posts relacionados