Entenda o projeto que quer alterar a política de preços dos combustíveis da Petrobras

Projeto quer alterar política de preços da Petrobras através de subsídios que estabilizariam o preço dos combustíveis no Brasil
Imagem: PNE

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou nesta terça-feira, 7, o Projeto de Lei (PL) 1472/2021 que pretende alterar a política de preços dos combustíveis da Petrobras. O objetivo do programa é estabilizar o preço dos combustíveis através de subsídios para evitar aumentos recorrentes no preço do diesel e da gasolina, por exemplo.

Veja também: Após fala de Bolsonaro, Petrobras reafirma que não antecipa decisões de reajuste dos combustíveis

O autor da proposta é o senador Rogério Carvalho (PT-SE). O texto foi aprovado em forma de substitutivo, ou seja, quando há alteração na proposta original, pelo relator e senador Jean Paul Prates. O projeto segue para o Plenário do Senado, mas, se aceito, ainda precisar passar por votação na Câmara.

O que propõe o projeto que quer alterar a política de preços da Petrobras?

De acordo com o texto aprovado, haverá uma nova política de preços internos de venda a distribuidores e empresas comercializadoras de combustíveis. 

Para evitar sucessivas altas na bomba do combustível, o projeto quer criar um conjunto de possíveis fontes de recursos que servirão como subsídios. Assim, quando o valor do petróleo bruto aumentar no mercado internacional, as receitas obtidas por esses recursos manteriam o preço dos combustíveis estáveis no Brasil.

Dentre esses recursos, está um imposto de exportação sobre o petróleo bruto. O projeto estabelece alíquotas mínimas e máximas para o imposto, que varia de acordo com o preço do barril. O mínimo fica sendo de 2,5% e o máximo, 20%. A alíquota será zerada até o barril atingir US$ 45.

Outras fontes de recursos e instrumentos que podem ser utilizados, a critério do governo, são: Dividendos da Petrobras devidos à União, recursos de concessões e partilhas do petróleo e reservas cambiais do Banco Central.

A política de preços da Petrobras

Desde 2016, a Petrobras adota a política de preço de paridade de importação (PPI). Essa política acompanha a variação do valor do barril de petróleo nos mercados internacionais e a cotação do dólar. Por isso, os reajustes podem ser feitos a qualquer momento.

Especialistas criticam a política, colocando-a como principal responsável pelos aumentos dos preços dos combustíveis no País. Veja a opinião dos especialistas clicando aqui. Seguindo o PPI, o diesel, por exemplo, teve aumento de 49% no valor da bomba se comparado a novembro de 2020.

Medo do aumento de impostos e críticas ao governo

Apesar da aprovação do projeto pela CAE, alguns senadores demonstraram preocupação de que a proposta faça com que os impostos aumentem para a população:

“O projeto é válido, mas se o preço do petróleo está alto hoje e volátil, com o aumento da alíquota, o governo poderia abrir mão dos outros instrumentos e ficar só com o imposto e quem vai pagar é o consumidor”, ponderou Carlos Portinho (PL-RJ). 

Além disso, o senador Esperidião Amim (PP-SC) criticou à falta de comprometimento do governo em relação ao preço dos combustíveis.

“O mercado não se sensibiliza com a pessoa que está usando vela para esquentar o prato. O governo não pode ficar omisso. Eu sinto que até aqui o Congresso navegou, mas está faltando uma participação ativa do governo”, comentou Amim. 

 

Por Wellington Nascimento com informações de Agência Senado

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui