quinta-feira, junho 20, 2024

Preço do combustível é o maior motivo de insatisfação dos caminhoneiros, aponta pesquisa

Não é de hoje que os caminhoneiros relatam insatisfação no trecho. Uma pesquisa recente mostrou que o preço do combustível é o maior motivo de insatisfação entre os estradeiros entrevistados. Ainda segundo o levantamento, o público também apontou descontentamento com outras questões como segurança das estradas e Pontos de Apoio e Descanso

Como foi feita a pesquisa de satisfação?

A pesquisa é uma iniciativa do Freto (plataforma de logística) em parceria com o Clube da Estrada (plataforma de relacionamento). A ideia é que o levantamento intitulado “Índice de Satisfação dos Caminhoneiros nas Estradas” seja feito semestralmente. Trata-se de uma avaliação da visão dos caminhoneiros sobre aspectos que influenciam sua atividade profissional. O objetivo é informar a sociedade sobre as necessidades do estradeiro e os impactos de determinados acontecimentos na rotina desse trabalhador. Com isso, dar visibilidade à categoria.

O primeiro levantamento foi feito entre os meses de junho e julho com 1.158 caminhoneiros de todo o Brasil. Os entrevistados tiveram quer pontuar de 0 a 5 os seguintes aspectos: preço do combustível; segurança nas estradas; condição das estradas; condição e disponibilidade de Pontos de Parada e Descanso; volume de trânsito; preço do frete e carga horária de trabalho. Quanto menor a nota, maior o índice de insatisfação contabilizado.

Nível de insatisfação dos caminhoneiros 

A nota média de insatisfação dos caminhoneiros foi de 1,7. Dentre os sete temas, primordiais para o bom exercício da profissão de caminhoneiro, o preço do combustível apresentou menor nota média, de 0,9 pontos. Além disso, a média de nenhum dos tópicos passou da nota 2,5. 

Preço do combustível é o maior motivo de insatisfação dos caminhoneiros, aponta pesquisa
Tabela com base no “Índice de Satisfação dos Caminhoneiros nas Estradas”.

Preço do Combustível

O preço do combustível foi o quesito com pior avaliação, ou seja, maior índice de insatisfação. Mais da metade dos entrevistados (52%) deram nota de 0 de satisfação. Os insatisfeitos somam ainda mais quando considerado as notas 1 (14%) e 2 (24%). Apenas 1% atribuiu a nota 5, maior pontuação. Isso significa que a cada 100 entrevistados, apenas um está totalmente satisfeito com o preço do combustível.

Segurança nas Estradas

Segurança as estradas também não conseguiu boas notas. Apenas 1% dos entrevistados atribuíram nota 5 para esse tema. Enquanto, as notas 0, 1 e 2 somaram 85% do público, mostrando maior índice de insatisfação.

Condição das Estradas

Em condição das estradas, a maior parte dos caminhoneiros que participaram da entrevista (82%) atribuíram nota 0, 1 ou 2. Além disso, apenas 1% deu nota máxima para esse quesito. Sendo assim, novamente, a cada 100 pessoas entrevistadas, apenas 1 estava totalmente satisfeita.

Condição e disponibilidade de Pontos de Parada e Descanso

Já trouxemos por aqui reportagens em que os caminhoneiros citam a falta de Pontos de Descanso como uma demanda para o próximo governo. Nessa pesquisa da Freto, foi constatado que apenas 4% deram nota 5 para o item. Em contrapartida, 74% deram notas baixas, de 0 a 2, que indica insatisfação. Ou seja, a cada 100 caminhoneiros que participaram da pesquisa, mais de 70 não estão satisfeitos com pontos de apoio das estradas.

Volume de Trânsito

Apenas 5 em cada 100 entrevistados deram nota máxima 5 para satisfação no volume de trânsito. A maioria dos entrevistados atribuiu nota de 0(11%), 1 (26%), 2 (35%), somando 72% de insatisfeitos. 

Preço do Frete

A defasagem do frete, ojá que seu valor não acompanha a oscilação no preço do combustível, também foi motivo de queixa dos estradeiros. Na pesquisa, a maior parte dos entrevistados (70%) deu pontuação baixa para o frete, nota 0 (11%), nota 1 (19%) e nota 2 (40%). Apenas 3% pontuou 5, a nota máxima que indica satisfação no preço do frete.

Carga Horária de Trabalho

Com relação a carga horária de trabalho, de acordo com dados do levantamento, 12% das pessoas deram nota 5. Novamente a soma dos insatisfeitos correspondeu a mais da metade dos entrevistados (59%), onde 6% atribuíram nota 0; 22% deram nota 1; e 31%, nota 2.

Preço do combustível é o maior motivo de insatisfação dos caminhoneiros, aponta pesquisa
Foto PNE

Descontentamento geral vai além do preço do diesel

Considerando que abaixo de 2 já é considerado como insatisfação, a média de todos os entrevistados é de 76%. Do outro lado do índice, se somada as porcentagens da maior nota (5) de todos os itens, temos uma média de 4,4%. Isso significa que a cada 100 caminhoneiros que responderam à pesquisa da Freto, menos de 5 estão totalmente satisfeitos com as estradas. 

Por Jacqueline Maria da Silva com informações do Freto. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Inscreva-se nos nossos informativos

Você pode gostar
posts relacionados